DIREITOS QUERO TODO E NAÕ PELA METADE!!!

24/09/2010 14:16
Arquivo não editável
Autor: Deocleciana



Dia Universal da Criança

VOCÊ SABIA???
Existe o dia universal da criança que é comemorado em muitos países em 20 de novembro, já que a ONU (Organização das Nações Unidas) reconhece esse dia como o dia Universal das Crianças, pois nessa data também é comemorada a aprovação da Declaração dos Direitos das Crianças. Entre outras coisas, esta Declaração estabelece que toda criança deve ter proteção e cuidados especiais antes e depois do nascimento.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS


1) Toda criança tem direito à igualdade, sem distinção de raça, religião ou nacionalidade.

2) Toda criança tem direito à especial proteção para o seu desenvolvimento físico, mental e social.

3) Toda criança tem direito a um nome e a uma nacionalidade.

4) Toda criança tem direito à alimentação, moradia e assistência médica adequadas para a criança e a mãe.

5) Toda criança tem direito à educação e a cuidados especiais para a criança física ou mentalmente deficiente.

6) Toda criança tem direito ao amor e à compreensão por parte dos pais e da sociedade.

7) Toda criança tem direito à educação gratuita e ao lazer infantil.

8) Toda criança tem direito a ser socorrido em primeiro lugar, em caso de catástrofes.

9) Toda criança tem direito a ser protegido contra o abandono e a exploração no trabalho.

10) Toda criança tem direito a crescer dentro de um espírito de solidariedade, compreensão, amizade e justiça entre os povos.


O QUE É O ECA???
{ECA} Estatuto da Criança e do Adolescente
Origem:

O ECA foi instituído pela Lei 8.069 no dia 13 de julho de 1990. Ela regulamenta os direitos das crianças e dos adolescentes inspirado pelas diretrizes fornecidas pela Constituição Federal de 1988, internalizando uma série de normativas internacionais:


O RECONHECIMENTO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLECENTE NO DIREITO BRASILEIRO:


A Constituição brasileira promulgada em 1988 é anterior à Convenção sobre os Direitos da Criança adotada pela Assembléia Geral das Nações unidas em 20 de novembro de 1989, ratificada pelo Brasil em 24 de setembro de 1990, e com vigência internacional em outubro de 1990, o que demonstra a sintonia dos constituintes brasileiros com toda a discussão de âmbito internacional existida naquele momento, sobre a normativa para a criança e a adoção do novo paradigma, o que levou o Brasil a se tornar o primeiro país a adequar a legislação interna aos princípios consagrados pela Convenção das Nações Unidas, até mesmo antes da vigência obrigatória daquela, uma vez que o Estatuto da Criança e do Adolescente é de 13 de julho de 1990.


Com o peso de mais de um milhão de assinaturas, que não deixavam sombra de dúvida quanto ao anseio da população por mudanças e pela remoção daquilo que se tornou comum denominar «entulho autoritário» – que nessa área se identificava com o Código de Menores – a Assembléia Nacional Constituinte referendou a emenda popular que inscreveu na Constituição Brasileira de 1988 o artigo 227, do qual o Estatuto da Criança e do Adolescente é a posterior regulamentação (PAIVA, 2004, p. 2). Mais do que uma mudança pontual na legislação, circunscrita à área da criança e do adolescente, a Constituição da República e, depois, o Estatuto da Criança e do Adolescente são a expressão de um novo projeto político de nação e de País.


Mas o que representou de fato a adoção desse novo paradigma? Inaugurou-se no País uma forma completamente nova de se perceber a criança e o adolescente e que vem, ao longo dos anos, sendo assimilada pela sociedade e pelo Estado. Isso porque a realidade não se altera num único momento, ainda mais quando o que se propõe é uma profunda mudança cultural, o que certamente não se produz numa única geração.


Tinha-se, até então, no Brasil, duas categorias distintas de crianças e adolescentes. Uma, a dos filhos socialmente incluídos e integrados, a que se denominava «crianças e adolescentes». A outra, a dos filhos dos pobres e excluídos, genericamente denominados «menores», que eram considerados crianças e adolescentes de segunda classe. A eles se destinava a antiga lei, baseada no «direito penal do menor» e na «doutrina da situação irregular».


Essa doutrina definia um tipo de tratamento e uma política de atendimento que variavam do assistencialismo à total segregação e onde, via de regra, os «menores» eram simples objetos da tutela do Estado, sob o arbítrio inquestionável da autoridade judicial. Essa política fomentou a criação e a proliferação de grandes abrigos e internatos, onde ocorriam toda a sorte de violações dos direitos humanos. Uma estrutura verdadeiramente monstruosa, que logrou cristalizar uma cultura institucional perversa cuja herança ainda hoje se faz presente e que temos dificuldade em debelar completamente.


A partir da Constituição de 1988 e do Estatuto da Criança e do Adolescente, as crianças brasileiras, sem distinção de raça, classe social, ou qualquer forma de discriminação, passaram de objetos a serem «sujeitos de direitos», considerados em sua «peculiar condição de pessoas em desenvolvimento» e a quem se deve assegurar «prioridade absoluta» na formulação de políticas públicas e destinação privilegiada de recursos nas dotações orçamentárias das diversas instâncias político-administrativas do País.

Últimas notícias

Gerentes realizam visita à instituição parceira

4ad7aca1 fde9 4274 967d 667fddd4129a

No dia 26 de junho, um grupo de 12 gerentes das unidades da C&A localizadas em Uberlândia (MG), Uberaba (MG), Sete Lagoas (MG), Juiz de Fora (MG) e Belo Horizonte realizaram uma visita ao Centro Cristão Evangélico Educacional. A visita integrou a programação do encontro mensal de gerentes do grupo CE1 de lojas da C&A.

Descomplicando as regras do Prêmio Voluntariado

A5e64efc b896 46f6 ad5b 2ac778f36bcc

Você conhece as categorias da premiação? Sabe quem deve atuar coletivamente e individualmente? Entende como funciona o processo de escolha dos vencedores? Clique e tire todas as suas dúvidas!

Com vocês, a 9ª Turma do Programa Gesc-Instituto C&A | Vitrine

59b9514e fd41 4204 8c72 0651b6e5bc49

O Programa Gesc-Instituto C&A é um curso de formação de lideranças de ONGs montado para que as organizações sociais ampliem sua competência em gestão. Conheça os voluntários e instituições que participam da ação!

Publicando ações com sucesso

F943e687 247d 46cd 871c 3caf0bbd6a82

O seu grupo tem feito boas ações voluntárias? E os registros no portal, estão refletindo a qualidade das iniciativas? Este guia vai conduzir você por todos os passos necessários para produzir um registro de sucesso. Boca no trombone e mãos no teclado!