Queda dos muros

25/09/2017 16:16

"O encontro de hoje nos ajudou a entrar na cultura brasileira e a quebrar o muro que geralmente existe entre o nativo e o estrangeiro. Esse tipo de ação nos faz sentir acolhidos e nos auxilia a encontrar o nosso lugar neste País", conta Jean Lenescarte, um dos refugiados do Haiti que participou da Feira de Cultura e Cidadania promovida pelo programa Voluntariado EC no dia 16 de setembro. Ao todo, 155 imigrantes e refugiados atendidos pela Missão Paz foram beneficiados com as ações.

Cerca de 39 voluntários se dividiram em diferentes frentes de trabalho: oficinas de culinária e de currículos (em inglês, francês e espanhol), atividades para as crianças e sessões de cinema. Na aula de culinária, ensinamos a preparar lanches e doces brasileiros, que podem ser comercializados pelos imigrantes no futuro. Já as crianças se divertiram com pinturas faciais e com brincadeiras típicas, como ciranda e corrida de saco, e com as oficinas de fantoches e de instrumentos musicais – ambos feitos de retalhos e materiais recicláveis, o que dá aos pequenos noções de sustentabilidade.

"Participei da aula de fantoches para crianças. Foi incrível proporcionar momentos lúdicos e criativos a elas. Percebi que, doando um pouco do meu tempo, consigo ajudar as pessoas e tornar o dia delas e o meu muito mais feliz", conta a modelista da C&A Karine Ferraz, que atuou como voluntária pela primeira vez.

Uma das atividades mais concorridas foi a oficina de currículos, na qual os voluntários simulavam entrevistas de emprego e ajudavam os imigrantes a produzirem os currículos adaptados ao mercado de trabalho brasileiro. “Precisamos aprender a acolher o outro de todas as formas e essa experiência proporcionou isso. Muitas pessoas saíram de seus países por questões extremas e não sabem quando conseguirão voltar. Ajudá-las a recomeçar é um trabalho muito gratificante”, conta Paula Gozzi, coordenadora de RH da C&A, que também atua com o tema na empresa. 

"Aqui, temos pessoas de 24 nacionalidades que carregam cicatrizes por terem saído do seu país por razões como conflitos, brigas, perseguições e crise econômica. Elas enfrentam uma etapa de fragilidade na vida, que é momentânea, mas é um momento em que precisam aprender o idioma e se adaptar à cultura local. Eventos como o de hoje são de extrema importância para elas", finaliza Padre Paolo Parise, que está à frente da Missão Paz.  

Conheça a Missão Paz

A Missão Paz acolhe imigrantes na cidade de São Paulo – destino final de muitos que chegam ao Brasil. A instituição oferece apoio completo ao migrante, com serviços de documentação, informação jurídica, mediação de trabalho, saúde física e mental, assistência social e acolhimento.

 

Confira aqui as fotos da Feira de Cultura e Cidadania.

Você precisa estar logado para comentar e interagir!
Login ou Cadastre-se