Desafio de Julho: Explorando sentidos e conhecendo as Unidades de Conservação brasileiras

03/07/2017 17:54

A atividade está divida nos momentos:

 

 

 

 

 

O mês das férias escolares chegou! Em julho, temos mais tempo livre com as crianças e nada melhor do que pensar em atividades ao ar livre para tirá-los da frente da TV, do videogame ou do excesso do uso do tablet.

A proposta neste mês é nos organizarmos para passear, conhecer áreas verdes urbanas e realizar um piquenique sustentável com brincadeiras para explorar os sentidos.

A palavra piquenique vem da língua francesa. No século XVII, era apenas uma refeição em que cada um levava a sua parte. Incorporando os hábitos dos ingleses dois séculos mais tarde, o piquenique se transformou em passeio ao ar livre, nos quais as pessoas levam alimentos para serem desfrutados por todos.

Pensando na sustentabilidade deste delicioso passeio, será necessário planejar detalhes como o meio de transporte, a alimentação e os resíduos que serão produzidos.
O primeiro passo será escolher um local para o piquenique e a nossa sugestão é conhecer as unidades de conservação mais próximas. As UCs – Unidades de Conservação – são áreas verdes protegidas, que muitas vezes estão localizadas próximas das nossas residências e das entidades parceiras, mas que raramente são conhecidas ou visitadas.

Neste artigo escrito por Angela Pellin, pesquisadora do IPÊ, você entenderá a importância dessas áreas para o nosso bem-estar e vai conhecer também os outros serviços ambientais que elas trazem, como a proteção da biodiversidade local, o controle da poluição sonora e do ar, entre outros.

Para que essas áreas sejam respeitadas e protegidas, primeiro elas precisam ser conhecidas pelas pessoas. Com visitação, atividades de recreação e educação ambiental o público vai entendendo os benefícios gerados por essas áreas e contribuindo com a sua conservação. As pessoas vivem melhor e a natureza agradece.

 

 

 

 

 

Agora, que vocês já entenderam como um piquenique sustentável em uma UC pode ser super divertido e também educativo, que tal convidar outras pessoas para participarem desse desafio? O evento pode ser feito com outros voluntários e depois pode ser replicado na organização que vocês apoiam.

1o. Passo: Escolher o local para a realização do passeio com piquenique. É possível fazer isso utilizando o GPS da Natureza, criado pelo projeto Criança e Natureza do Instituto Alana. Você coloca o CEP do local onde está e ele mostra as Unidades de Conservação mais próximas. Caso não tenha uma UC próxima, você pode escolher outras áreas verdes como as praças e praias. Definido o local, é hora de escolher o meio de transporte. Se for possível, vamos reduzir a pegada de carbono usando um meio de transporte com menor impacto ambiental. Dê preferência à caminhada, à pedalada ou ao transporte coletivo. Carona também vale!

2o. Passo: Agora, que você já sabe como vai chegar lá, vamos à organização do piquenique: o que levar, como preparar, como levar e servir. É hora de pegar emprestado aquele caderno da vovó, pesquisar e compartilhar as mais deliciosas receitas, tomando cuidado para que sejam saudáveis e, se possível, preparadas com produtos orgânicos, que são aqueles livres de adubos e defensivos químicos, os agrotóxicos. Sucos
naturais e frutas da estação também são ótimas opções. O Instituto Akatu tem um guia para um piquenique sustentável que também pode ajudar.
Ah! Não podemos esquecer que é preciso também ter cuidado com o lixo. Vamos evitar o uso de descartáveis e ao final do piquenique temos que recolher tudo, mesmo os orgânicos. Procurar as lixeiras do local e separar corretamente é o ideal, mas se não encontrarmos nenhuma, vamos levar tudo de volta para casa onde certamente daremos o destino correto a cada item.

3o. Passo: Além do piquenique, pensamos em outra forma de experimentar as UCs. Que tal brincar de explorar os sentidos? A ideia é convidar as pessoas para vivenciar o contato com a natureza de olhos vendados.
Para isso, precisaremos levar tecidos que servirão como vendas para os olhos. Com o material em mãos, convide as pessoas do passeio a ficarem em duplas: uma será o guia da experiência e a outra ficará com os olhos vendados. É importante informar para a dupla que depois ela também irá trocar os papéis para que ambas experimentem as sensações de guiar e ser guiado.
Nós estamos tão acostumados com a experiência das coisas pela visão que limitamos nossa percepção pelos outros sentidos. Nessa brincadeira, ao vendar os olhos das pessoas, elas poderão perceber melhor os sons da natureza, os cheiros, a experiência do tato ao tocar elementos naturais e andar por diferentes superfícies guiado pelo parceiro.
Para que a experiência seja gostosa, precisamos lembrar que o guia precisa tomar muito cuidado com a pessoa que estará vendada. Ele precisa passar confiança para que a pessoa guiada possa de fato focar sua atenção, para perceber os outros sentidos e não sentir medo de bater em algo ou se machucar.

4o. Passo: Para ser um bom guia é preciso estar atento a algumas dicas.

• Guie a pessoa com cuidado e devagar, prestando atenção para que ela não tropece no terreno por onde caminha e também não se machuque encostando partes do corpo em galhos e plantas. Para protegê-la, leve-a sempre pelas mãos e vá orientando sobre o caminho falando baixinho e próximo dela.

• Para experimentar o tato, você pode escolher algumas flores, frutos, folhas e cascas de árvores que ela poderá tocar. Lembre-se de ir comentando baixinho com ela o que você está propondo e sempre esteja atento para escolher plantas que não gerem nenhum risco para a pessoa guiada.

• Para experimentar o olfato, você também pode propor momentos de pausa para respirar profundamente durante a caminhada ou até mesmo levar elementos próximo às narinas da pessoa guiada, como folhas amassadas, um punhado de terra, uma fruta aberta, uma flor perfumada.

• Para experimentar a audição, permita que o silêncio também faça parte da caminhada de vocês. Fale apenas o necessário para que ela possa ouvir os sons dos pássaros, dos seus passos nas folhas, do vento batendo nas árvores, etc.

• Para experimentar o paladar, você pode sugerir que ela prove alguma fruta encontrada no local ou mesmo algo que levaram para o piquenique. Se escolher alguma fruta que encontraram no local, certifique-se que ela é comestível, antes de oferecer à pessoa guiada. Lembre-se sempre de ir explicando o que irá propor para sua dupla.

- Divirta-se!
 

Para celebrar o passeio e a caminhada para explorar os sentidos, convide todos os participantes para, em roda, compartilharem suas impressões sobre o dia, antes de irem embora. Para isso, preparamos um roteiro com o intuito de ajudar nessa etapa (veja no final desse plano).

Em roda, espere alguns minutos para que todos possam refletir e anotar suas impressões sobre as atividades.

Deixe livre para quem quiser compartilhar o que refletiu e sentiu.

Termine a roda de compartilhamento com palmas para todos ou uma rodada de abraços!

Já pensou que sua ação pode ser maior e continuar durante todo o mês? Você pode convidar as crianças, os adolescentes, os educadores, os pais das crianças e os associados da C&A, que ainda não são voluntários, a conhecerem os UCs e explorarem seus sentidos.

Não deixe de espalhar sua ideia também postando tudo o que fizeram no Portal dos Voluntários.

Com as postagens, podemos descobrir mais sobre as Unidades de Conservação de cada região do Brasil e ver como a criatividade dos voluntários aparece nas ações com as organizações apoiadas.
 

Roteiro para a Roda de Compartilhamento – Etapa Celebrar

Você pode baixar o material completo do desafio de julho aqui.

Dúvidas?

Escreva nos comentários desse post suas dúvidas que a equipe do IPÊ vai te ajudar!

Aproveite e comente também o que você achou do desafio.

Você precisa estar logado para comentar e interagir!
Login ou Cadastre-se